Conecte-se Conosco

Brasil

Fronteira Brasil e Bolívia está fechada

Deve ser feito uma espécie de lockdown na região fronteiriça. Objetivo é evitar a entrada no país da variante do novo coronavírus

It News MS

Publicado

 em

Linha internacional entre Brasil e Bolívia, na fronteira das cidades de Puerto Quijarro e Corumbá (MS) — Foto: Caio Tumelero/TV Morena

A partir desta sexta-feira (2), a fronteira do Brasil com a Bolívia estará fechada por sete dias. Essa decisão tomada pelo país vizinho visa uma forma de reduzir casos de covid-19, sobretudo da variante P1, que tem origem brasileira.

A medida foi decretada pelo presidente Luíz Arce, depois que os estados bolivianos começaram a realizar ações individuais para conter a pandemia. O distrito de Santa Cruz, que faz fronteira com o nosso estado, queria inicialmente um período de 15 dias para o bloqueio.

A Argentina e o Uruguai também estão com as fronteiras fechadas com o Brasil por conta da Covid-19. Neste último, podem entrar quem é cidadão uruguaio, estrangeiro residente, parente de uruguaio ou que esteja em missão humanitária ou por conta de reunião familiar.

Vacinação em massa

Nesta quinta-feira, Porto Quijarro, cidade boliviana vizinha à sul-mato-grossense Corumbá, a 415 quilômetros de Campo Grande, recebe 16.800 doses de vacina contra a Covid-19, que somam-se às mais de 11 mil doses do início da semana.

Essa é a primeira fase da campanha de vacinação em massa por lá. Mais doses devem chegar na próxima semana.

A Bolívia já soma 272.411 casos de Covid-19, com 12.257 mortes. No Brasil, 12,7 milhões de pessoas já foram contaminadas pelo novo coronavírus e 321.515 morreram. Os dados são do site Our World in Data.

A população do Brasil, segundo o IBGE, é 211 milhões de pessoas. Da Bolívia, 11,7 milhões.

Fronteira

A partir de Corumbá, para se chegar em Porto Quijarro é preciso passar pela rodovia Ramón Gomez. No limite entre as duas cidades há a aduana, onde trabalham fiscais da Receita Federal e policiais. Esse é o caminho oficial.

Diversos brasileiros e bolivianos cruzam a aduana diariamente, seja para trabalhar, estudar ou fazer compras.

Clique para Comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Enquete

Facebook

Publicidade