Conecte-se Conosco

Campo Grande

Calmaria e longas filas marcam a vacinação neste fim de semana

No mesmo lugar, tem quem comemora e quem reclama sobre a espera

It News MS

Publicado

 em

Vinicius Bracht

Durante o fim de semana, 17 e 18 de abril, as pessoas que tinham vez na vacinação contra a Covid-19 eram quem já tinha 60 anos completos e quem, por ventura, perdeu a data da vacinação divulgada previamente. A prefeitura havia feito uma divisão: no sábado, para quem nasceu de janeiro a julho, e no domingo, para quem nasceu de agosto a dezembro. Mas, devido ao movimento baixo, todos os pontos de vacinação receberam quem estava na vez. Somente o Guanandizão atendia quem era repescagem, isso se explica a longa fila encontrada no domingo durante o dia todo.

João Silva Medeiros, 62 anos, foi receber a primeira dose hoje no Guanandizão. Ele não conseguiu ir na data destinada a idade dele, pois não estava se sentindo bem. “Vim hoje. Cheguei às 10h e estou na fila. Na minha vez, estava indisposto, meio gripado. Não conseguia vir. Aí meu filho me deixou aqui e agora não tem como voltar atrás. O bom que já garanto a primeira dose”, disse. João também reclamou da quantidade de pessoas que estavam acompanhando os idosos. “Não tem necessidade da família toda vir. É questão de 5 minutos a vacina. Ao invés de ajudar a fluir, essa quantidade de gente atrapalha na organização. Muitos acompanham para poder tirar foto e mandar para a família. O momento não é de aglomerar”.

Essa foi uma realidade vista e alertada pelos coordenadores lá no local, mas não podia ser feito muita coisa.

A fila era longa no Guanandizão neste domingo pela manhã – Foto: Vinicius Bracht

A aposentada Valdirene Pires, 60 anos, também relatou essa confusão. Indignada, ela ficou horas na fila, para chegar lá dentro do ginásio, ter aglomeração e pessoas sem educação. “A gente já não ouve direito. A organização hoje deixou a desejar. Tinha um rapaz chamando as senhas, mas por conta do barulho, do tumulto, quem estava na arquibancada, quase nem ouvia o que ele falava. Acredito que poderia ter sido diferente”.

Foto: Vinicius Bracht

Embora algumas reclamações, teve gente que não via a hora de tomar a primeira dose e não se importou com a demora ou a ‘desorganização’. É o caso da confeiteira Sueli Bracht, 60 anos, que estava programada para ir às 13h, por conta de  ter nascido em outubro, mas ficou sabendo que poderia ir pela manhã. “Eu já tinha visto que era só à tarde. Mas meu filho viu nas redes sociais que já estavam vacinando e pedi para ele me levar. Quando cheguei, me assustei com a fila, pois a minha irmã tinha ido há uns dias e comentou que estava tranquilo. Demorei duas horas, mas agora estou vacinada e um pouco mais protegida. Viva a ciência”, concluiu.

Em outros pontos de vacinação, também tiveram longas filas de espera.

Expectativa

A expectativa da prefeitura era concluir o público de idosos ainda neste fim de semana.

 

Clique para Comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Enquete

Facebook

Publicidade